Pular para o conteúdo principal

No tempo...



Posso sentir o cheiro de minha terra...
No verde imenso das montanhas,
desses campos grandes,
nesse mar sem fim...

Nasci na roça.. no simples da vida.
Comi fruta do pé
fiz casa na árvore
tive grama e "pique tá"
bolinha de gude com a galera
tomei porrada dos meninos
Aprendi a ser forte
quando chorar não ajudava
Tive medo do escuro
tomei banho de rio..
E de pouco em pouco
Cresci.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Extrema necessidade

Preciso respirar
Preciso
Viver na arte
O calor dos meus dias
Nela viver, na arte
De viver
Cada dia
Respiro
Suavizo as sombras
Durmo e acordo contigo
Preciso
Como flecha certeira em alvo invisível
Preciso
Do ar que me invada, me abra
Me fazendo certeira
Me fazendo
Inteira
A Arte
Inteira
Preciso muito
Respirar
Preciso.

Olho mágico

De repente anoiteceu..
O pão mofou...
O queijo também..
Mais nada na dispensa...
Continuo sem fome...
Me alimento do pensar..
E das conversas que tenho com o Universo..
Ou seria Pluriverso?
é tanto imaginar!

Meu olho de caleidoscópio não se perde..
Como aranha tece as teias todas..
Como areia cai devagar pela longa ampulheta..
Meu olho de caleidoscópio tem múltiplos relógios..

Meu labirinto onírico é minha vida vivida...
Tantas portas abertas, trancadas, só encostadas..
Todo dia lá estão, as mesmas de sempre..
Meu estado de espírito decide o caminho do dia..
Às vezes só sigo e me deixo ver o que há lá..
Às vezes prevejo o presente futuro..
Mas sempre percebo o quanto se vive às tontas..

O labirinto é dentro do olho..
No olho mágico há luz e há sombra..
No círculo fechado meu olho direito vê o profundo...
A sombra prevalece..
A luz estoura em meu olho esquerdo..
A profundidade vira superficialidade..
Meu olho mágico é 2
É em todo lugar..

Onde estou, nessa altura do labirinto?
Portas, portas, portas...
Chaves.. cad…

Vésper

Agora deu no que deu
De repente os olhos teus
Me cercavam pelo ar
De um lindo dia
Manhã vazia
Qualquer manhãDelírio apenas
Eu sei que Atenas
Não vai chegar Manhã pequena
Noite pequena
Tempo a passar E a madrugada
Que é coisa rara
Me faz sonhar
Que um belo dia
Nos olhos teus
Ei de alcançar Aquele sonho
Aquele dia
Outro lugar.***
(o primeiro poema que fiz na vida, 2002, ao acordar... havia lido Drummond no dia anterior, acordei com o sol... e versos brotando em minha cabeça, sem parar... então corri, peguei caneta e papel, daí então não mais quis parar... me apaixonei pela poesia.)