*^*

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Ah! esse chamego...


Meu sossego...
chamego
aconchego
você em mim
repousa
no rosto meu rosto
às voltas
com isso de ser
mar de rosas...
sem dor, sem espinhos
Na maciez
da tua
pele
na minha
maciez
da pele
na sua
embriaguez
nua
tonta
fico
quando me deito
contigo
tudo vira infinito..

terça-feira, 12 de abril de 2011

Amor...



Enquanto dormia
e pelo deserto caminhava
sorria
das suas piadas...
No brilho suave dos seus olhos
senti uma vida pulsar
sofrida...
buscando no riso
das palhaças piadas
o ópio, o sussurro
ao pé do ouvido...
Seu brilho escondido
pelos olhos eu via
pelo sorriso atrevido
pelo silêncio de seus gemidos
Você me trouxe de volta a fantasia...
Minh'alma de repente... te reconhecia.
(11/07/10)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

'Na torre' ou 'P Ermita' ou 'Contrasenso'



Bonita vista aqui de cima
Bonita retina...
No espelho das mágoas congelei
sem saber do amor
seu modo mais sutil
Minha alegria é vã
vai e vem, companhia...
Na torre não há muros
ou travas ou o escuro...
Só mágoas
E medo.
E medo paralisa.
No receio vivo de querer mais, sem ter
De ti ficam as sobras
Do banquete que comi.
Corro, fujo, me surpreendo..
Quanto mais ando mais me arrependo
De pesar tanto essa carga nas costas...
Doação, essa é a proposta.
Doação, via dupla, mesmo se não gosta..
Vou fechar a porta pra me recolher
Pra variar um pouco
Pouco a pouco me deixo a morrer
No fosso os fantasmas gritam satisfeitos
No terraço os anjos gritam meus defeitos
Sozinha me fecho
É mais certo,
Não estar perto, dá nisso
Meus olhos te procuram
E você, no sumiço
Com data de entrada e data de saída
Sem brigas.
Não quero mais fugir assim
Mas o que fazer com isso dentro de mim??

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Carpe Diem



Não, não é mentira...
Você se foi.
Piadista, palhaço, humorista
tinha que ser mais uma piada
mais uma risada...
Parece mentira, você me pegou de novo..
Que lindo dia pra se viver e morrer
Meu pai era vivaz, intenso, audaz
E sempre queria mais
até o último instante de vida..
da vida..
De herança
trago a lembrança viva dessa alma acesa
que sem dúvida virou estrela
Minha poesia hoje não veste preto, ele não gostava..
Veste cores
Na história apaixonada desse ser ensolarado
E o dia está lindo lá fora..
E meu pai me pede pra aproveitá-lo ao máximo..
E jamais, jamais morrer em vida.

Um dia a menos...


No silêncio da cama vazia
você sorria
de um sonho onde nós dois
tínhamos vida...
fantasia...
No seu colo fazia graça
era dia
no seu sonho fazia dia
fantasia..
Faz tempo você se foi
Faz hoje mais um dia
A dor é ínfima, curta, mas não menos doída..
Sua ausência me traz a certeza
Da dúvida do tempo
que urgia.
Sua ausência não cala minha existência
apenas me faz mais consciente
nada mais
dormente, tentando não olhar pra trás
Pai, hoje é mais um dia
sem ter tua companhia, tua euforia, tua alegria..
mais um dia a menos
pra mim, pra todos
Menos um dia. E ainda dói.