Pular para o conteúdo principal

Valentine's day




São Valentim virou santo depois de ser condenado a morte, por ter desobedecido às ordens de um imperador, que queria manter os homens livres por acreditar que seriam mais eficazes nas batalhas se fossem solteiros, ou não estivessem envolvidos em romances.. Valentim realizava casamentos às escondidas, e quando morreu, os românticos lhe levaram flores e bilhetes mostrando que continuariam a acreditar no amor..
Ontem, dia 14 de fevereiro, em boa parte do mundo foi comemorado o dia dos namorados, em sua homenagem, pois foi o dia de sua morte.
Aqui no Brasil, parece que nosso dia dos namorados surgiu idealizado por comerciantes, que aproveitaram a véspera do dia de santo Antônio para fixar o dia 12 como o dia da troca de presentes e assim garantir que esse mês, sempre tão fraco, ganhasse nova vida comercial.. o que, sabemos hoje, deu certo..
Não gosto do dia dos namorados, não acredito em casamento tradicional, santo antônio que me desculpe, nunca fui sua devota...
Mas acredito no amor.. não no amor piegas, ou dos contos de fadas.. mas no amor inteiro, o amor da entrega.. da aceitação das diferenças e da não idealização do outro.. será possível?
sei que humanos idealizam...
mas ainda tento, e tenho até conseguido...
não acho que uma relação tenha que durar pra sempre... mas também não acho que não possa.. desde que haja amor, e isso é o que mais importa..
Minhas relações mais importantes não desapareceram de minha vida, o casamento, o romance, esses sim terminaram, mas a amizade e o amor, esses não.. pois o amor não é assim.. não pode ser.. não acredito que seja.. ele é vivo, só que agora em outra forma... ainda amo meus amores.. mas seguimos rumos diferentes na vida.. e não creio que precisamos ficar na raiva ou na mágoa por isso.. é o que tenho buscado sempre.
O que me incomoda é essa predeterminação “amorosa”, onde o outro é o que menos importa, desde que supra todas as demandas de um amor casadouro e eterno, mesmo sabendo no fundo no fundo, que é enquanto dure...
Ou seja, o casamento é o objetivo final, o motivo de toda entrega.. e então vêm as frustrações diárias.. aquele ser se desencanta, o sonho vira pesadelo... e o amor, que na verdade nunca esteve ali presente, se esgota no pouco que ainda tentava se fazer existir..
Todo dia assisto isso, as pessoas preocupadas em ter um amor pra toda vida... quando nem a vida é pra sempre.. e assim deixam de viver o amor das pequenas e belas coisas..
Me parece que antes de tudo é preciso saber amar.. saber olhar o outro, permitir esse amor crescer e florescer junto, e durar a vida que tiver que durar.. não são papéis, nem vestidos ou festas, nem gravatas cortadas que sustentarão a vida desse amor.. mas a vida diária, a relação que se nutre porque está viva e plena de amor, e não por contratos ou obrigações impostas... e se os rumos por algum acaso se tornarem opostos, que ainda assim haja muito amor, mesmo na difícil dor que acompanha todo fim.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Olho mágico

De repente anoiteceu..
O pão mofou...
O queijo também..
Mais nada na dispensa...
Continuo sem fome...
Me alimento do pensar..
E das conversas que tenho com o Universo..
Ou seria Pluriverso?
é tanto imaginar!

Meu olho de caleidoscópio não se perde..
Como aranha tece as teias todas..
Como areia cai devagar pela longa ampulheta..
Meu olho de caleidoscópio tem múltiplos relógios..

Meu labirinto onírico é minha vida vivida...
Tantas portas abertas, trancadas, só encostadas..
Todo dia lá estão, as mesmas de sempre..
Meu estado de espírito decide o caminho do dia..
Às vezes só sigo e me deixo ver o que há lá..
Às vezes prevejo o presente futuro..
Mas sempre percebo o quanto se vive às tontas..

O labirinto é dentro do olho..
No olho mágico há luz e há sombra..
No círculo fechado meu olho direito vê o profundo...
A sombra prevalece..
A luz estoura em meu olho esquerdo..
A profundidade vira superficialidade..
Meu olho mágico é 2
É em todo lugar..

Onde estou, nessa altura do labirinto?
Portas, portas, portas...
Chaves.. cad…

'Na torre' ou 'P Ermita' ou 'Contrasenso'

Bonita vista aqui de cima
Bonita retina...
No espelho das mágoas congelei
sem saber do amor
seu modo mais sutil
Minha alegria é vã
vai e vem, companhia...
Na torre não há muros
ou travas ou o escuro...
Só mágoas
E medo.
E medo paralisa.
No receio vivo de querer mais, sem ter
De ti ficam as sobras
Do banquete que comi.
Corro, fujo, me surpreendo..
Quanto mais ando mais me arrependo
De pesar tanto essa carga nas costas...
Doação, essa é a proposta.
Doação, via dupla, mesmo se não gosta..
Vou fechar a porta pra me recolher
Pra variar um pouco
Pouco a pouco me deixo a morrer
No fosso os fantasmas gritam satisfeitos
No terraço os anjos gritam meus defeitos
Sozinha me fecho
É mais certo,
Não estar perto, dá nisso
Meus olhos te procuram
E você, no sumiço
Com data de entrada e data de saída
Sem brigas.
Não quero mais fugir assim
Mas o que fazer com isso dentro de mim??

No tempo...

Posso sentir o cheiro de minha terra...
No verde imenso das montanhas,
desses campos grandes,
nesse mar sem fim...

Nasci na roça.. no simples da vida.
Comi fruta do pé
fiz casa na árvore
tive grama e "pique tá"
bolinha de gude com a galera
tomei porrada dos meninos
Aprendi a ser forte
quando chorar não ajudava
Tive medo do escuro
tomei banho de rio..
E de pouco em pouco
Cresci.