*^*

domingo, 28 de fevereiro de 2010

de seres pensantes a seres pulsantes


Existem momentos na vida em que é necessário ficarmos quietos...
nos recolher em silêncio.. sossegar em casa, caminhar sozinhos, com ou sem rumo...refletir, refletir-nos..
Nossa própria companhia é insubstituível em certos momentos...
Então ficar sereno, olhar pra si é fundamental... desapegar-se do fútil, do frívolo, do superficial, esquecer a pressa e mergulhar no profundo da alma, onde a razão conturbada e controladora dos pensamentos consiga dar lugar aos sentimentos, à emoção, à fluidez da vida, do desejo da alma..
E quando tudo flui então, tudo isso dá lugar a uma intuição dantesca, onde não há medos ou dúvidas, mas a certeza de que somos um com o todo, e que o universo sussurra o tempo todo em nossos ouvidos cada passo que precisamos dar pra sermos mais felizes.. e assim trazer felicidade pro meio em que vivemos, dando seguimento à roda da vida... que nunca cessa, mas que sempre emperra quando não ouvimos essa voz que vem de dentro, desse ser inteiro que pulsa, como pulsa o coração da terra.
Pois o planeta é vivo, ele pulsa.
E precisamos ouvi-lo, resgatar esse eixo, esse centro, esse fio que nos conecta com todos nossos parentes, os humanos, e como dizem os índios, todos nossos parentes pedras, àrvores, animais, mares, rios, céus, estrelas, planetas, tudo que é vida, pois tudo isso pulsa e está carregado de energia vital...
Quanto mais ignoramos nosso laço original com a natureza mais nos afastamos de nós mesmos.. e continuamos a correr contra a roda, engasgados nas angústias diárias de ter que ser, ter que ter e ter que parecer o que não se é..
Sempre que aquietamos o corpo, a alma, o coração e a mente ganhamos a oportunidade de resgatar esse elo perdido..
É tempo de refazer o contato com a terra, trazendo mais consciência de nossa raíz na matéria, na terra, sabendo que nosso corpo é nossa casa, e nossa casa é nosso templo sagrado, o lugar de encontro com o mais profundo e íntimo de nosso ser.
É tempo de plantar os pés no chão, literalmente, e deixar sentir a energia e o pulsar da terra, nossa grande Mãe, nosso útero maior, nossa casa.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Minha odisséia..


*

Quando eu chegar a esse porto..
Que me tragam todas as honrarias que me cabem
Quando chegar dessa luta, nesses mares de mim..
Quero compartilhar com todos essa alegria

Sem subterfúgios nem segundas vias.

Quando retornar esse brilho
Resgatar esse viço..
Serei ainda mais eu
E você ainda mais você
E.. inteiros e serenos
Seremos..
Sem mais nos perder..

*'*

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Quase nada


De você sei quase nada
Pra onde vai ou porque veio
Nem mesmo sei
Qual é a parte da tua estrada
No meu caminho

Será um atalho
Ou um desvio
Um rio raso
Um passo em falso
Um prato fundo
Pra toda fome
Que há no mundo

Noite alta que revele
Um passeio pela pele
Dia claro madrugada
De nós dois não sei mais nada

Se tudo passa como se explica
O amor que fica nessa parada
Amor que chega sem dar aviso
Não é preciso saber mais nada.

Zeca Baleiro.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Liberdade de só ser



Toda memória tem um sentido de ser...
Nas travessias errantes vi nascer uma caravana de música e poesia..
Todas as minhas memórias ganharam sentidos..
Sons, lugares.. vestidos...
Despidos
Fomos nus até a outra ponta do mundo..
Sem amarras não nos perdemos um segundo...
Livres, corremos soltos
Em busca de nossos sonhos mais escondidos..
A liberdade de só ser
um dia há de acontecer...
Mas eu diria
depois de tanto ter que ser..
viria
a castigar os homens dessa terra de hipocrisias..
dessa dura realidade de ser..
As máscaras caem, vazias...
O cadáver deixa à mostra a secura de sua vida..
Nossa humanidade carece de amor, respeito e liberdade..
Sem falar na coragem..
Que parece, ficou encoberta por uma pseudo-pacificidade:
“Dê a outra face..
Assim fará sua parte..”
Mas querer emoldurar o vento?
Ah! Isso já é sacanagem...

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Quero sambar, meu bem



quero sambar,
meu bem
quero sambar
também
não quero é vender
flores
nem saudade
perfumada
quero sambar,
meu bem
quero samba
também
mas eu não quero
andar na fossa
cultivando tradição
embalsamada
meu sangue é de
gasolina
correndo, não tenho
mágoa
meu peito é de
sal de fruta
fervendo no copo
d´água

(Tom Zé)

Valentine's day




São Valentim virou santo depois de ser condenado a morte, por ter desobedecido às ordens de um imperador, que queria manter os homens livres por acreditar que seriam mais eficazes nas batalhas se fossem solteiros, ou não estivessem envolvidos em romances.. Valentim realizava casamentos às escondidas, e quando morreu, os românticos lhe levaram flores e bilhetes mostrando que continuariam a acreditar no amor..
Ontem, dia 14 de fevereiro, em boa parte do mundo foi comemorado o dia dos namorados, em sua homenagem, pois foi o dia de sua morte.
Aqui no Brasil, parece que nosso dia dos namorados surgiu idealizado por comerciantes, que aproveitaram a véspera do dia de santo Antônio para fixar o dia 12 como o dia da troca de presentes e assim garantir que esse mês, sempre tão fraco, ganhasse nova vida comercial.. o que, sabemos hoje, deu certo..
Não gosto do dia dos namorados, não acredito em casamento tradicional, santo antônio que me desculpe, nunca fui sua devota...
Mas acredito no amor.. não no amor piegas, ou dos contos de fadas.. mas no amor inteiro, o amor da entrega.. da aceitação das diferenças e da não idealização do outro.. será possível?
sei que humanos idealizam...
mas ainda tento, e tenho até conseguido...
não acho que uma relação tenha que durar pra sempre... mas também não acho que não possa.. desde que haja amor, e isso é o que mais importa..
Minhas relações mais importantes não desapareceram de minha vida, o casamento, o romance, esses sim terminaram, mas a amizade e o amor, esses não.. pois o amor não é assim.. não pode ser.. não acredito que seja.. ele é vivo, só que agora em outra forma... ainda amo meus amores.. mas seguimos rumos diferentes na vida.. e não creio que precisamos ficar na raiva ou na mágoa por isso.. é o que tenho buscado sempre.
O que me incomoda é essa predeterminação “amorosa”, onde o outro é o que menos importa, desde que supra todas as demandas de um amor casadouro e eterno, mesmo sabendo no fundo no fundo, que é enquanto dure...
Ou seja, o casamento é o objetivo final, o motivo de toda entrega.. e então vêm as frustrações diárias.. aquele ser se desencanta, o sonho vira pesadelo... e o amor, que na verdade nunca esteve ali presente, se esgota no pouco que ainda tentava se fazer existir..
Todo dia assisto isso, as pessoas preocupadas em ter um amor pra toda vida... quando nem a vida é pra sempre.. e assim deixam de viver o amor das pequenas e belas coisas..
Me parece que antes de tudo é preciso saber amar.. saber olhar o outro, permitir esse amor crescer e florescer junto, e durar a vida que tiver que durar.. não são papéis, nem vestidos ou festas, nem gravatas cortadas que sustentarão a vida desse amor.. mas a vida diária, a relação que se nutre porque está viva e plena de amor, e não por contratos ou obrigações impostas... e se os rumos por algum acaso se tornarem opostos, que ainda assim haja muito amor, mesmo na difícil dor que acompanha todo fim.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Solitude




Torto..
Um dia de carnaval...

Soube anteontem que você não vinha...
Fiquei triste.. tinha preparado tudo pra sua chegada..
Meus olhos de novo brilhavam...
Minhas mãos ansiosas brincavam de agarrar-se umas às outras (!)
E eu achei que era minha intuição falando alto agora
Sempre fui boa nisso.
Mas com você ainda não sei..
Parece que nada nesse mundo será capaz de me fazer acreditar que ainda estou viva...
Você não chegou...
E o Minotauro até fica bonito quando me carrega
Seqüestrada, como um guerreiro que salva a dama do perigo...

Mas você não veio...
Meu labirinto é de solitude...
Não, não é de solidão..
Pois não chega a ser ruim...
É só um estado triste de perceber
Que no final todos somos sós...
Só isso..

Uma solitude apaziguadora de meus animus..
Sim, pois tenho muitos.. ô!
Sou o guerreiro.
E a princesa..
E o dragão.
E a solitude..
E a solidão.

Mas você não veio...

Alguém pode contar isso pra minh’alma?
Acho que ela ainda não entendeu...
Minha cabeça olha e ridiculariza todos esses sentimentos
Minha anima está delirando, pensa...

Onde está o dragão
Está meu coração.
Ele sim.. sofre enclausurado..

Acho que aguarda quem faça desaparecer esse maldito encanto..
Maldito sim..
Pois meu sentimento de amor é pleno..
Mas esse medo.. ah!
esse medo do passado vira essa jaula mansa..
Essa faca espetada no peito, essa mágoa..

Mas você não veio..

E agora sim..
Vou respirar sozinha.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

A difícil Arte de Amar ou 'Monólogo de Narciso'



Todo dia sorvo simplicidade.
Todo dia percebo como sou pequena.
Todo dia percebo como sou grande.
Simples assim.

E o Outro?

Ah! O Outro?
O Outro sou Eu
que determino quem seja
ou que tamanho tenha
O outro não me importa
quando olho no espelho.
O espelho me cega
Me ensurdece.
Paralisa, rouba minha alma
na vaidade e
no desespero de ser Eu.
Mas o outro
Ainda não sei,
porque é na orgia de eus que me encontro
Comigo.

A festa do Louco...



Hoje vi passarinhos pertinho da minha janela.. coloridos, pequenos, grandes.. rápidos, juntos, separados.. muitos muitos...
Hoje sorri..
Vi muitos passarinhos.. vinham de dentro... muitos muitos.. fazendo cosquinhas na nuca... vinham de dentro do peito..
Vinham sussurrados.. de dentro da alma.. até meus ouvidos..
Cantando, planando....

...

Mergulhei junto... no fundo da alma.. da alma do mundo..
Uma sensação leve.. de paz serena..
Meu céu, daqui, é lindo.. esse é um presente que agradeço todos os dias..
Estar viva pra poder sentir isso..
Agradeço, de todo coração, toda essa plenitude... paz e serenidade...
Meu coração sorri..
Bobo, louco, feliz..

...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Sonho Alquímico...


W. Blake

*'*

no labirinto de sonhos entrei agora...
desci até onde não havia luz...
escorpiões negros em toda parte...
no Hades é assim..
não sei se te contaram..

*

O escorpião negro...

Brilhava na sombra azul
Escura
Brilhava olhos de segredo...
Brilhava nas sombras azuis
Ele O escorpião negro.

Não tem mais segredo..
O amor vingou..
Não é mais segredo..
Ninguém escapou
Do escorpião negro.

...

Sorriu e chorou
Ao sentir que ferroou
Seu coração.

E seu medo
Era ter que enfrentar
Seus sonhos..

...

Serenata

Desculpe-me amor.. chorei.. senti a dor me consumir.. sentei e chorei...
Chorei sem derramar uma só lágrima.. pra não te incomodar...
Sei que o meu sorriso te seduz muito mais..
Também amo o sonhar...

Chorei por não saber sequer meu nome..
Chorei por me sentir desamparar..
Me deixei só
Em abandono
Me deixei só
Pra que me enganar?

***

Mas teu sorriso me encanta
Prefiro ao meu..
Te olho em meu espelho..
E o seu sorriso também é meu.

Me vi criança, no teu jardim proibido..
Me fiz criança, nos meus teus gemidos.
Não quero ter medo do amor..
Por isso escolhi o gozo, a paixão, o ardor..

*

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Vem comigo..

Vamos começar de novo!
Vamos deixar de lado aquele lodo...
Virar essa página já cheia de mofo...
viver o agora e enxergar nossa realidade
Torcer para no futuro tudo fazer sentido...
E que possamos ver quem somos
por trás de todo esse mar de equívocos..
desse passado torto...
Vem comigo..