Pular para o conteúdo principal

O baú do inconsciente... e todos esses medos...




*

Flores azedas.. moídas.. putrefas...
No teu lodo de sentimentos abriga-se um pedaço de minh’alma..
A quero de volta.. não quero mais morar aí.. não quero mais alimentar nossas dores..
Não quero mais matar nossos amores...
Pela raiz todo mal já foi cortado..
E o terreno já foi todo preparado..
Para que nossas flores possam nascer de novo..
E de novo.. e de novo.

***

Por que estou tão trancada.. perdida... vendida ao entorpecimento etéreo de vícios já tão antigos?
Por que sentir toda criatividade que em mim pulsa não basta pra que seja tão (pro) criativa então?
Pareço um cachorro correndo atrás do próprio rabo.. é assim que me sinto agora... nesse pequeno instante..

Me perco quando você está comigo.. ou melhor, acho que me perco quando eu estou contigo.. sei lá!
Uma parte de mim se perde nesse afeto descontrolado... nessa submissão anestesiante..
Minha mãe me veio à cabeça agora.. me lembrando de como ela não acreditava em mim.. de como se submetia ao meu pai, enquanto eu e meus irmãos assistíamos.. era uma devoção sem igual... acho que amei demais meu pai.. mas amei talvez mais minha mãe.. ou sua devoção, seu amor sem igual.. será que quis ser como meu pai para consquistá-la?
quem sou eu?
Será que estou amaldiçoada?
Será que pra sempre, toda vez que amar alguém e ficar perto demais vou me perder de mim.. vou vender minha alma, ou melhor.. dar assim de mão beijada?
Pra quê?
Por quê?
A vida é estranha eu sei.. dói essa incerteza quanto ao nosso fim.. ou começo.. sei lá...
Olha eu aqui agora.. de cara.. de cara com minha angústia tão temida.. ou fico muito só (inteira) ou muito distribuída (partida).

***

Desculpe.. só queria me explicar..

Quem é você??
Cadê ele?
Virou mesmo sombra?
E cadê eu?
Não preciso mais dessa dor, não é mesmo?
Por isso você sumiu...
Chegou a hora de sorrir e cantar... e comemorar a vida e todas essas cores!
Pressinto...
Desculpe, é que senti saudades.. hoje encontrei velhas poesias nossas..
E até mesmo um desabafo... de quando te trouxe de volta, em 2005.. após aquele colapso.
Não te vejo mais..
isso é bom??
Agora sou eu.. ops.. acabei de te achar.. escondido aqui no meu peito, apertado por meu medo de desabrochar.. hahaha..
Welcome back!!!

***

Comentários

  1. Flores azedas e troncos ocos...
    Sincronicidade de melancolia...sashuaua

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Olho mágico

De repente anoiteceu..
O pão mofou...
O queijo também..
Mais nada na dispensa...
Continuo sem fome...
Me alimento do pensar..
E das conversas que tenho com o Universo..
Ou seria Pluriverso?
é tanto imaginar!

Meu olho de caleidoscópio não se perde..
Como aranha tece as teias todas..
Como areia cai devagar pela longa ampulheta..
Meu olho de caleidoscópio tem múltiplos relógios..

Meu labirinto onírico é minha vida vivida...
Tantas portas abertas, trancadas, só encostadas..
Todo dia lá estão, as mesmas de sempre..
Meu estado de espírito decide o caminho do dia..
Às vezes só sigo e me deixo ver o que há lá..
Às vezes prevejo o presente futuro..
Mas sempre percebo o quanto se vive às tontas..

O labirinto é dentro do olho..
No olho mágico há luz e há sombra..
No círculo fechado meu olho direito vê o profundo...
A sombra prevalece..
A luz estoura em meu olho esquerdo..
A profundidade vira superficialidade..
Meu olho mágico é 2
É em todo lugar..

Onde estou, nessa altura do labirinto?
Portas, portas, portas...
Chaves.. cad…

A criativa idade

Quando foi, quando é?
Quando vai ser?!
Ahhhh!
Aqui estou...
Pronta pra te compor..
Te fazer obra, te fazer arte..
Já ouvistes falar em Alma?
Dela toda essa Arte faz parte..
Sem ela, eis o desastre..
Minh'alma tem hoje cabelos curtos..
quer ser leve, deixar respirar a nuca..
brotar idéias, sons, cores
nomes, o novo!
De mim...
Aquele eu que se escondia na nuca.. cheio de medo.
Chega de medo!
Aqui estou, não me escondo mais!

(02/01/10... up to now.. and now.. and ever.)

No tempo...

Posso sentir o cheiro de minha terra...
No verde imenso das montanhas,
desses campos grandes,
nesse mar sem fim...

Nasci na roça.. no simples da vida.
Comi fruta do pé
fiz casa na árvore
tive grama e "pique tá"
bolinha de gude com a galera
tomei porrada dos meninos
Aprendi a ser forte
quando chorar não ajudava
Tive medo do escuro
tomei banho de rio..
E de pouco em pouco
Cresci.