Pular para o conteúdo principal

Como num sonho...

*

Como num sonho
Repleto de música e poesia
Faunos e ninfas
Um Sol brilhante por entre as árvores
Um desejo incontrolável de voltar
A sentir na pele todas as coisas boas
Por direito minhas
Danço cada vez mais
Giro num pouso de altas nuvens
Colho dos céus
Ar puro
Sinto próxima a chegada dos anjos
Vou ao futuro
Transo no escuro
Danço o presente
Corpo e mente
A alma se lança num chão de estrelas
Ao poço das memórias
Das crianças perdidas
Que dançam a fé
E correm sem medo
Para elas não existe passado
Não se lembram porque esqueceram o futuro
Só vivem o presente
Mas não dormem no escuro.

***

(2003, in Mensagens Inconscientes)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Olho mágico

De repente anoiteceu..
O pão mofou...
O queijo também..
Mais nada na dispensa...
Continuo sem fome...
Me alimento do pensar..
E das conversas que tenho com o Universo..
Ou seria Pluriverso?
é tanto imaginar!

Meu olho de caleidoscópio não se perde..
Como aranha tece as teias todas..
Como areia cai devagar pela longa ampulheta..
Meu olho de caleidoscópio tem múltiplos relógios..

Meu labirinto onírico é minha vida vivida...
Tantas portas abertas, trancadas, só encostadas..
Todo dia lá estão, as mesmas de sempre..
Meu estado de espírito decide o caminho do dia..
Às vezes só sigo e me deixo ver o que há lá..
Às vezes prevejo o presente futuro..
Mas sempre percebo o quanto se vive às tontas..

O labirinto é dentro do olho..
No olho mágico há luz e há sombra..
No círculo fechado meu olho direito vê o profundo...
A sombra prevalece..
A luz estoura em meu olho esquerdo..
A profundidade vira superficialidade..
Meu olho mágico é 2
É em todo lugar..

Onde estou, nessa altura do labirinto?
Portas, portas, portas...
Chaves.. cad…

A criativa idade

Quando foi, quando é?
Quando vai ser?!
Ahhhh!
Aqui estou...
Pronta pra te compor..
Te fazer obra, te fazer arte..
Já ouvistes falar em Alma?
Dela toda essa Arte faz parte..
Sem ela, eis o desastre..
Minh'alma tem hoje cabelos curtos..
quer ser leve, deixar respirar a nuca..
brotar idéias, sons, cores
nomes, o novo!
De mim...
Aquele eu que se escondia na nuca.. cheio de medo.
Chega de medo!
Aqui estou, não me escondo mais!

(02/01/10... up to now.. and now.. and ever.)

No tempo...

Posso sentir o cheiro de minha terra...
No verde imenso das montanhas,
desses campos grandes,
nesse mar sem fim...

Nasci na roça.. no simples da vida.
Comi fruta do pé
fiz casa na árvore
tive grama e "pique tá"
bolinha de gude com a galera
tomei porrada dos meninos
Aprendi a ser forte
quando chorar não ajudava
Tive medo do escuro
tomei banho de rio..
E de pouco em pouco
Cresci.