Pular para o conteúdo principal

Lua Negra

Entrei pelo espelho, no fundo, no fundo...
Caí, de joelhos, castigada pelos deuses sem pudor que habitavam em mim...
Se punem e culpam sem parar de pecar...
Gozam nas paixões proibidas...
E Lilith, serpente enfeitiçada pelo desejo selvagem e hostil, rebelde e vil...
É Lilith que habita agora em mim.
É ela quem grita, esbraveja, corta sem dó.
É despudorada, pela vida que nela habita.
É estrela, é livre...
É Lilith agora em mim.

Comentários

  1. Ei! Não conhecia esse aqui! Mudei o link que estava no meu, ok? Agora, quem quiser ler você, vai cair aqui.
    ;)

    bjos amada (estou gostando muito, tá?)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Olho mágico

De repente anoiteceu..
O pão mofou...
O queijo também..
Mais nada na dispensa...
Continuo sem fome...
Me alimento do pensar..
E das conversas que tenho com o Universo..
Ou seria Pluriverso?
é tanto imaginar!

Meu olho de caleidoscópio não se perde..
Como aranha tece as teias todas..
Como areia cai devagar pela longa ampulheta..
Meu olho de caleidoscópio tem múltiplos relógios..

Meu labirinto onírico é minha vida vivida...
Tantas portas abertas, trancadas, só encostadas..
Todo dia lá estão, as mesmas de sempre..
Meu estado de espírito decide o caminho do dia..
Às vezes só sigo e me deixo ver o que há lá..
Às vezes prevejo o presente futuro..
Mas sempre percebo o quanto se vive às tontas..

O labirinto é dentro do olho..
No olho mágico há luz e há sombra..
No círculo fechado meu olho direito vê o profundo...
A sombra prevalece..
A luz estoura em meu olho esquerdo..
A profundidade vira superficialidade..
Meu olho mágico é 2
É em todo lugar..

Onde estou, nessa altura do labirinto?
Portas, portas, portas...
Chaves.. cad…

'Na torre' ou 'P Ermita' ou 'Contrasenso'

Bonita vista aqui de cima
Bonita retina...
No espelho das mágoas congelei
sem saber do amor
seu modo mais sutil
Minha alegria é vã
vai e vem, companhia...
Na torre não há muros
ou travas ou o escuro...
Só mágoas
E medo.
E medo paralisa.
No receio vivo de querer mais, sem ter
De ti ficam as sobras
Do banquete que comi.
Corro, fujo, me surpreendo..
Quanto mais ando mais me arrependo
De pesar tanto essa carga nas costas...
Doação, essa é a proposta.
Doação, via dupla, mesmo se não gosta..
Vou fechar a porta pra me recolher
Pra variar um pouco
Pouco a pouco me deixo a morrer
No fosso os fantasmas gritam satisfeitos
No terraço os anjos gritam meus defeitos
Sozinha me fecho
É mais certo,
Não estar perto, dá nisso
Meus olhos te procuram
E você, no sumiço
Com data de entrada e data de saída
Sem brigas.
Não quero mais fugir assim
Mas o que fazer com isso dentro de mim??

No tempo...

Posso sentir o cheiro de minha terra...
No verde imenso das montanhas,
desses campos grandes,
nesse mar sem fim...

Nasci na roça.. no simples da vida.
Comi fruta do pé
fiz casa na árvore
tive grama e "pique tá"
bolinha de gude com a galera
tomei porrada dos meninos
Aprendi a ser forte
quando chorar não ajudava
Tive medo do escuro
tomei banho de rio..
E de pouco em pouco
Cresci.