*^*

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Alegria, alegria!

*

Tomo meu gole diário de sensatez
Na intenção apenas de viver livremente
Pois a cisão não é clara e disfarço bem
Prezo o ar livre
Que me dou de direito
Não posso e nem quero ser apenas mais um
A andar e desfilar suas faces montadas
Não ao acaso, mas sempre ignoradas
Alegria vendida e propagada
Dessa sei o gosto e provo todo dia
Pra que não me esqueça de falar a mesma língua
Que aqueles que estão por toda parte
E alguém disse que "somos da mesma espécie"
Raça humana, pura e só
Pura hipocrisia numa guerra de morais
Onde só uma raça quer vingar
"Que vença o mais forte" foi o que ouvi falar
E ser forte é tudo que me resta
Não pela raça dominar
Mas pelo simples direito de caminhar.

***

5 comentários:

  1. For these fools of men and their woes care not thou at all! They feel little; what is, is balanced by weak joys; but ye are my chosen ones.

    AL I:31

    ResponderExcluir
  2. We have nothing with the outcast and the unfit: let them die in their misery. For they feel not. Compassion is the vice of kings: stamp down the wretched & the weak: this is the law of the strong: this is our law and the joy of the world.

    AL I:21

    ResponderExcluir
  3. Beauty and strength, leaping laughter and delicious languor, force and fire, are of us.

    AL I:20

    ResponderExcluir
  4. Não que eu concorde sempre e com tudo que existe no Livro da Lei, mas algumas palavras do seu poema cruzam sinapses diretas com este poema gnóstico.

    ResponderExcluir